Como os maiores pintores retrataram Maria Madalena: Ticiano, Gentileschi, Ivanov, etc

Maria Madalena
Pinturas de Maria Madalena

Maria Madalena é a discípula mais próxima e importante de Jesus Cristo. Ela é a única de todos os heróis do Evangelho que é mencionada 12 vezes nos escritos canônicos. Ela pode não ter sido um dos doze apóstolos, mas ela seguiu a Cristo e era muito querida por ele. De acordo com a tradição da igreja (mas não bíblica), Maria Madalena foi uma mulher pecadora que, tendo encontrado Cristo, se arrependeu de seus caminhos anteriores. Abaixo está uma lista das pinturas mais famosas dedicadas a Madalena.


"Maria Madalena e a chama", de Georges de Latour (1638-1640)


Georges de Latour é um pintor barroco francês que pintou esta obra-prima em 1640. A cena retrata Maria Madalena com uma vela fumegante em uma sala escura e simples. Na pintura de Latour, Maria Madalena se senta em frente a uma mesa e está completamente imersa em seus pensamentos. Sua mão direita repousa sobre o crânio, suas pernas estão nuas e sua camisa branca revela seus ombros nus. O corpo de Maria Madalena está envolto em uma escuridão misteriosa, e apenas uma vela ilumina seu rosto. A lâmpada não só cria uma atmosfera de movimento, mas também é um elemento que indica a fragilidade da vida humana.

"Maria Madalena e a chama", de Georges de Latour (1638-1640)
"Maria Madalena e a chama", de Georges de Latour (1638-1640)

Graças a esta fonte de luz, você pode ver livros e atributos que caracterizam a Paixão de Cristo e a transitoriedade da vida. Aqui está uma cruz de madeira e um chicote ensanguentado. O crânio representa o Gólgota, o local da crucificação de Cristo. O significado está na mão acariciando o crânio e é um reflexo do tema da morte. Chama e crânio, juntos, representam o tempo inevitável que passa irrevogavelmente. Assim, todos os elementos da imagem referem-se aos temas de arrependimento e provações enviados por Deus.


"Aparição de Jesus Cristo a Maria Madalena" Alexander Ivanov (1834-1835)


Alexander Ivanov pintou "Aparição de Jesus Cristo a Maria Madalena" após a ressurreição, durante sua viagem de negócios à Itália. A tela foi enviada à capital russa em maio de 1836 e foi aceita com grande sucesso em uma exposição na Academia Imperial de Artes. Ivanov foi eleito acadêmico.

"Aparição de Jesus Cristo a Maria Madalena" Alexander Ivanov (1834-1835)
"Aparição de Jesus Cristo a Maria Madalena" Alexander Ivanov (1834-1835) / Foto: artrussia.ru

Embora Ivanov tenha pintado a pintura na tradição da arte acadêmica, ela também foi enriquecida pela arte italiana e pela pintura renascentista. "Aparição de Jesus Cristo a Maria Madalena" é considerada um "ensaio" antes da criação da tela em grande escala "A aparição de Cristo para o povo" (Ivanov pintou durante 20 longos anos!). No entanto, o trabalho com Madalena ainda merece a devida atenção, pois foi graças a ela que o autor recebeu o título de acadêmico, e o quadro adornava as paredes do palácio do czar Nicolau I.

O enredo com Madalena de Ivanov se distingue pela simplicidade elegante e graça italiana. O espectador vê apenas duas figuras - Cristo e Madalena. O artista captou o momento do Evangelho em que Madalena o viu ressuscitado. Ela corre para Cristo, mas ele para Madalena com um gesto calmo.

"Aparição de Jesus Cristo a Maria Madalena" Alexander Ivanov, fragmentos
"Aparição de Jesus Cristo a Maria Madalena" Alexander Ivanov, fragmentos

O rosto de Maria é iluminado por uma multidão de sentimentos sinceros e complexos: surpresa, excitação, tristeza, admiração, etc. Madalena está vestida com um vestido vermelho brilhante. Cristo é retratado em uma túnica branca. Foi essa pintura que tornou Ivanov um acadêmico. Assistindo ao enredo com Madalena, o espectador desperta a fé nos milagres. E a mensagem principal da imagem é que até a alma mais perdida pode ser salva.


Frederick Sandys "Mary Magdalene", 1859


Frederick Sandys (1829–1904) era filho de um artista e foi educado na Norwich School of Design. Ele começou sua carreira como pintor de retratos e ilustrador de antiguidades. Sua mudança para Londres em 1851 foi fatídica, onde se tornou membro da Irmandade Pré-Rafaelita, fez amigos e morou na mesma casa com Dante Gabriel Rossetti. Este último chamou Sandys de "o maior desenhista vivo". Imagens fortes e sensuais da beleza feminina e imagens icônicas de mulheres sedutoras e misteriosas, feitas no estilo dos pré-rafaelitas, pertencem a este artista em particular.

Frederick Sandys "Mary Magdalene", 1859
Frederick Sandys "Mary Magdalene", 1859

Olhando para a sua obra Mary Magdalene "Maria Madalena", o espectador não reconhece imediatamente a heroína como Santa Madalena. Ela é retratada como uma beldade com longos cabelos dourados no estilo dos pré-rafaelitas. Curiosamente, Sandys se especializou nas figuras da cintura de mulheres bonitas e fatais. A atenção de Sandys aos detalhes é típica da escola pré-rafaelita. As imagens de beleza feminina de Sandys são imagens icônicas de mulheres charmosas e misteriosas, representando seu estilo único. A heroína é retratada quase de perfil. O fundo é verde escuro com ornamentos ingleses. A heroína tem um vaso com fricção na mão (seu principal atributo), e seus ombros são cobertos por um lenço vermelho-verde com ornamentos florais. Esta imagem de Madalena destaca-se nitidamente contra o fundo de outras pinturas.


Carlo Dolci "Madalena Penitente" (1670)


O arrependimento de Santa Maria Madalena é um tema tradicional especialmente popular na arte italiana do século XVII. Na pintura de Dolchi, Madalena é retratada com o cabelo solto, a mão direita pousada no peito e a palma da mão esquerda levantada e pousada sobre um livro aberto. Seu atributo tradicional - um pote de ungüento com o qual ela veio a Cristo para ungí-lo - está representado no primeiro plano à direita entre as rochas. Aliás, cabelo solto e uma panela são uma referência ao Evangelho de Lucas (7: 37-8). A escritura descreve uma mulher pecadora que ungiu os pés de Cristo, lavou-os com suas lágrimas e enxugou-os com seus longos cabelos. Carlo Dolci era um homem profundamente devoto e famoso por sua transmissão emocional de histórias religiosas, bem como por detalhes meticulosos. Maria Madalena foi sua heroína retratada com mais frequência.

Carlo Dolci "Madalena Penitente" (1670)
Carlo Dolci "Madalena Penitente" (1670)

O estilo distinto e detalhado de pintura de Dolci trouxe-lhe fama tanto em Florença, onde passou a maior parte de sua vida, e além. Esta pintura entrou na Coleção Real como um presente de Sir John Finch para a Rainha Católica Catarina de Bragança, esposa de Carlos II. Como residente inglês na corte do grão-duque Ferdinand II, Finch conheceu Carlo Dolci em Florença e teve a oportunidade de encomendar-lhe uma série de obras. Finch admirava o artista e deu-lhe patrocínio e apoio.


Artemisia Gentileschi (Transfiguração de Maria Madalena) "O Penitente Maria Madalena", 1615-1616


Artemisia Gentileschi, a primeira artista feminina a ingressar na Academia Florentina, pintou a comovente Madalena em 1617. Foi uma ordem da família Medici. A heroína Gentileschi está vestida com um vestido amarelo com renda e senta-se entre seda e veludo luxuosos. Uma das mãos de Madalena agarrou-se ao peito e a outra ao espelho, que mostrava quem ela era diante de Deus. Seus olhos agora estão completamente abertos e anseiam por liberdade, Cristo, luz. Maria Madalena nunca deixa de ser bela quando se volta para Cristo, mas essa beleza não é mais para ser enriquecida. Ela é para a glorificação do Senhor, que a ama mais do que qualquer outra pessoa.

Artemisia Gentileschi "O Penitente Maria Madalena", 1615-1616
Artemisia Gentileschi "O Penitente Maria Madalena", 1615-1616

Sabe-se que a própria Artemisia Gentileschi experimentou a dor da má conduta pública depois de ser estuprada por um colega de seu pai (Orazio Gentileschi) aos 17 anos. O processo de estupro que se seguiu humilhou a garota e a fez fofocar ainda mais. Reunindo toda a sua vontade e "embalando" seu incrível talento artístico, ela se mudou para Florença para começar sua vida de novo.


Ticiano "Madalena Penitente" (1531, 1565)


Ticiano foi um dos artistas que retratou Maria Madalena como um símbolo de redenção. Em duas obras icônicas, ele mostra a arrependida Madalena. O espectador vê um momento do Evangelho em que Madalena se dá conta de sua vida pecaminosa e chora, erguendo o olhar para o céu. Sua primeira Madalena foi escrita em 1531, e ele voltou para ela 30 anos depois.

Obras de Ticiano "Madalena Penitente", 1531, Palazzo Pitti, Florença / "Madalena Penitente", 1565, Hermitage, São Petersburgo
Obras de Ticiano "Madalena Penitente", 1531, Palazzo Pitti, Florença / "Madalena Penitente", 1565, Hermitage, São Petersburgo

Embora as obras de Ticiano abordem um tema cristão, parecem bastante sensuais. A razão está nas narrativas medievais. Dizem que por 30 anos após a ascensão de Jesus Cristo, Maria Madalena vagou pelo deserto e suas roupas literalmente se desfizeram. Artistas da época se empenhavam em usar essa referência como uma forma de mesclar sensualidade e religião. As pinturas assim se tornaram mais populares e os artistas não temeram a reação escandalosa do público. As características físicas de Maria Madalena retratada por Ticiano correspondem ao ideal de beleza da época: cabelos longos e dourados, lábios carnudos e um corpo magnífico.
Postagem Anterior Próxima Postagem