Astrônomos avistam pela primeira vez uma anã marrom com um radiotelescópio

 Anãs marrons são intermediárias entre gigantes gasosos e estrelas. Por um lado, sua massa não é suficiente para que reações termonucleares constantes com a participação de átomos de hidrogênio se iniciem em suas profundidades. Ao mesmo tempo, algumas reações ainda podem ocorrer em seu interior com a participação de núcleos de deutério e lítio. Mas, pelos padrões astronômicos, elas não duram muito, depois do qual as anãs marrons esfriam.

anãs vermelhas, anãs marrons e Júpite
Comparação dos tamanhos do Sol, anãs vermelhas, anãs marrons e Júpiter. 
Fonte: Créditos: Goddard Space Flight Center da NASA

É por isso que esses objetos são muito difíceis de encontrar - especialmente se não fizerem parte de sistemas estelares. Eles geralmente são identificados por sua radiação infravermelha. Mas isso está longe de ser o caso para todas as anãs marrons. Existe toda uma população de tais objetos (a chamada classe espectral Y), que possuem superfícies ultra-frias que praticamente não emitem radiação infravermelha.

Uma equipe de pesquisadores do Instituto ASTRON de Radioastronomia decidiu encontrar outra forma de encontrar tais corpos. Os resultados da observação indicam que muitas anãs canela têm fortes campos magnéticos. Com base nisso, os cientistas desenvolveram uma nova técnica. Eles usaram o radiotelescópio LOFAR para procurar fontes de emissão de rádio polarizada, que são invisíveis nas faixas ópticas e infravermelhas. Como resultado, eles foram capazes de localizar um objeto denominado BDR J1750 + 3809. No curso de verificações subsequentes, os astrônomos foram capazes de confirmar que se trata de uma anã marrom localizada a uma distância de 212 anos-luz da Terra.

anãs marrons e Júpite
Anã marrom com forte campo magnético (conceito). 
Fonte: ASTRON / Danielle Futselaar

BDR J1750 + 3809 foi a primeira anã marrom encontrada com radiotelescópios. Os pesquisadores acreditam que estudar sua emissão de rádio ajudará a entender como esses objetos geram campos magnéticos. O aperfeiçoamento dessa técnica pode tornar possível determinar a presença de magnetosferas em exoplanetas semelhantes à Terra. Sua presença é considerada um dos principais critérios que determinam a possibilidade da origem da vida.

Com base em materiais: https://phys.org

Postagem Anterior Próxima Postagem